Voltar

Xico Tarefa

O TRAQUEJO E A MÃO CERTA DE UM MESTRE OLEIRO

 

Não há quem não conheça o mestre Xico Tarefa no Redondo. Aos 69 anos, Francisco do Rosado, ainda faz mexer a roda e fala da sua arte com a mesma paixão de sempre. A sua olaria, no centro da cidade, é das mais reconhecidas e procuradas por quem vive e visita esta terra alentejana.

A sua generosidade é do tamanho do talento que descobrimos quando o visitámos. E este mestre não é só exímio a trabalhar o barro, é também um contador de histórias irresistível. E a melhor história é a sua. Foi nosso privilégio ouvi-lo falar da sua infância vivida no meio do barro, de como se tornou num dos melhores no seu ofício e como divulgou a sua arte pelo mundo

“No meu tempo, o Redondo era uma vila de olaria. Havia cerca de 30 oficinas na cidade e, por isso, este acabava por ser o ofício com maior saída profissional. Eu vivia junto a uma olaria e passei lá muito tempo a brincar com o barro e a arte foi crescendo em mim”.

A olaria onde cresceu era uma das maiores do Redondo. Lá descobriu a arte e conheceu o seu mestre que lhe ensinou tudo e deu-lhe o espaço que precisava para ser criativo. Depois de horas de trabalho, ficava a fazer serão e a experimentar novas peças. 

“Durante o dia cumpria as ordens do meu mestre e à noite fazia o que queria. Felizmente tive um grande mestre que me ensinou a fazer tudo. Nem todos aprendiam a riscar e a pintar, pois era uma tarefa realizada pelas mulheres, mas eu tive a sorte de aprender. Tornei-me mestre aos 16 anos”. 

Depois de cumprir serviço militar, regressou a casa e começou a trabalhar com crianças da vila. Num centro lúdico, ensinou olaria e ajudou a preservar a sua arte. Quando se reformou, montou a sua própria oficina e iniciou um novo caminho na sua história. 

A sua identidade como artista sempre foi a olaria do Redondo. Este tipo específico de olaria tem como principal marca o desenho de três cores (amarelo, verde e castanho), e a técnica utilizada, na qual o barro é primeiro esgrafitado e só depois pintado. Os desenhos também são muito característicos, onde normalmente se destacam os pássaros, os galináceos e as flores.

“Com o tempo procurei novas abordagens. Tal como este projecto com o Esporão, que considerei logo um desafio. Era uma coisa nova, que iria requerer tempo e criatividade.  Não poderia haver pressa para ser feito”.

Quando entramos na sua oficina, percebemos que todo o ambiente criado convida à paragem do tempo. Apesar de estarmos no centro da vila, há silêncio na sala. Não há distrações e é fácil perder a noção das horas cá dentro. Não há rádio, televisão nem relógios. Os tons de castanho e a pouca luz natural dão uma falsa sensação da passagem das horas. 

A mesa de trabalho está arrumada à sua maneira – está tudo à mão e o banco alto, na posição certa. Antes de começar a trabalhar, o mestre Xico liga o pequeno candeeiro e direciona-o para o centro da mesa. E o ritual começa. Os anos de dedicação trouxeram “traquejo” e as mãos já não precisam de guia.

Antes de chegarmos a esta placa, o mestre Xico experimentou outras técnicas e métodos, como protótipos de garrafas de vinho em barro com diferentes cores. O seu perfeccionismo e constante insatisfação levaram-no a tentar de novo. Foi então que se lembrou que faria sentido fazer algo com base no esgrafitado – uma técnica que consiste em desenhar com um objecto pontiagudo sobre uma peça de barro pintada de branco. 

Feita a placa em barro, foi-lhe dado um banho de tinta branca. Depois do tempo de espera da secagem e do desenho do esboço feito, chega o momento de maior concentração e atenção ao detalhe. O silêncio é agora interrompido pelo som dos materiais – o carvão a passar no papel vegetal, o pincel a mergulhar na tinta ou o lápis a riscar o barro branco.

“É preciso ter mão certa” afirma o mestre enquanto pinta as letras, seguindo o percurso das linhas. “Não estamos sempre a mexer na peça. Temos de saber esperar para dar o passo seguinte. Sendo uma peça feita pela primeira vez e à mão, cada passo foi uma surpresa. Ao longo do processo fomos fazendo melhorias aqui e ali.  Eu acho que ficou excepcional e fiel ao seu lema “Feito devagar no Alentejo”. Mas, na verdade, eu sou suspeito”. 

Conheça as outras histórias